• Afro
  • Sei Bahia

Notícias

09/10/2017 08:30

Sepromi participa de encontro com quilombolas cotistas da UFRB

A titular da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) participou no último sábado (7), em Cachoeira, de um ato de homenagem a estudantes quilombolas da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB). Os jovens foram selecionados por meio da política de cotas para ingresso ao ensino superior, implementada pela lei federal 12.711/2012, conhecida como “lei de cotas”. A atividade reuniu as comunidades quilombolas Tabuleiro da Vitória, Guaíba e Terra Vermelha, contando com a presença de estudantes, familiares, lideranças e educadores.

O jovem Deidivan dos Santos, de 19 anos, graduando em História, relatou as expectativas e desafios dos últimos tempos. “Com persistência nós vamos conseguindo vencer. Já planejo, inclusive, reproduzir os conhecimentos que tenho adquirido a outros jovens quilombolas da comunidade”.

O sentimento é semelhante ao de Jucimara Mora, de 20 anos, que estuda Biologia, também na UFRB. Ela destacou que encara uma nova etapa de vida, luta e resistência. “Com muito esforço ingressei na universidade e, agora, novas portas e perspectivas se abrem para mim”, ressaltou, emocionada pela homenagem recebida durante o evento.

A secretária da Sepromi destacou a importância da política de cotas que, segundo ela, configura-se como uma das políticas reparatórias mais importantes do país, visando democratizar o acesso ao ensino superior e técnico para estudantes de escolas públicas, autodeclarados pretos, pardos e indígenas. “A universidade é, também, um espaço de luta e afirmação. Temos muito orgulho de cada jovem que rompe barreiras do racismo estrutural e da exclusão histórica. A caminhada que está sendo feita agora é fruto de uma luta coletiva e ancestral, que resultou em políticas públicas efetivas”, pontuou Fabya Reis.

A presidenta da Associação de Mulheres Quilombolas do Tabuleiro da Vitória, Maria das Graças de Brito, a Maria de Totó, afirmou que o momento é de celebração das coletividades. “Vale a pena a gente se organizar e acreditar em nós mesmos. É um marco histórico que servirá de elevação da autoestima e incentivo aos demais quilombolas da região. A partir da nossa autodeclaração e reconhecimento como povo quilombola, vamos seguindo na luta e alcançando as vitórias”, ressaltou.

O evento contou, ainda, com a presença da vice-presidenta do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN), Lindinalda de Paula; do presidente da Comissão de Promoção da Igualdade da Assembleia Legislativa, deputado Bira Corôa; da educadora e advogada Anhamona Brito; lideranças comunitárias; dentre outros convidados.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.