• RH Bahia
  • RH Bahia

Notícias

03/03/2019 08:30

Ilê Aiyê leva multidão ao Curuzu e reafirma luta do povo negro

Os tambores vão chegando no meio da multidão, na ladeira do Curuzu, no bairro da Liberdade. Os mais antigos do Ilê Aiyê se posicionam no jardim da frente do terreiro Ilê Axé Jitolu, junto aos convidados. O som percussivo toma conta do ambiente. Pipoca, milho e pombas brancas fazem parte dos ritos iniciais. Assim é a saída do bloco afro Ilê Aiyê que, com o apoio do Governo do Estado, através do Carnaval Ouro Negro, seguiu pela 45ª vez, neste sábado (2), rumo ao circuito do Campo Grande.

Para a secretária estadual da Cultura, Arany Santana, a noite é de muitas comemorações. "Além dos 45 anos do Ilê, este é o décimo segundo ano do Carnaval Ouro Negro, que patrocina diversos blocos, grandes e pequenos”. Ainda segundo Arany, o apoio realizado através do Ouro Negro possibilita a manutenção da tradição e também o surgimento de novos blocos e de outros movimentos de matriz africana. "Temos aí o hip hop, o rap, que são manifestações contemporâneas, mas que não deixam de ser desdobramentos desses blocos afro que hoje existem e que são apoiados pelo Governo do Estado. Então é provável que tenhamos netos e bisnetos do Ouro Negro”.

O Vovô do Ilê, nome popular de Antônio Carlos dos Santos, fundador do Ilê Aiyê, fala da importância do incentivo do Governo do Estado para a manutenção da tradição. "Hoje, o Ouro Negro é muito importante, tanto para os pequenos quanto para os grandes blocos. Nós sentimos muito a ausência do setor privado também nos apoiando. Por isso é tão importante o incentivo do Governo do Estado para a sobrevivência das entidades culturais de matriz africana", destacou.

Para a titular da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis, “o mais belo dos belos” espalha energia e exalta a beleza negra na maior festa popular do mundo, a partir das ruas do Curuzu. “O Ilê Aiyê é a nossa referência pelo seu trabalho de afirmação, resistência e preservação das culturas ancestrais africanas. É inspirador prestigiar sua presença no Carnaval de Salvador, o que coroa mais de quatro décadas de luta”, destacou a secretária.

O mundo se une aqui

A correspondente internacional da China Global Television Network, Lucrécia Franco, que tem sede em Nova Iorque, nos EUA, e em Nairobi, no Quênia, no continente africano, cobriu a saída do Ilê. "A gente vem cobrindo o Carnaval do Brasil sempre no Rio de Janeiro. Resolvemos fazer essa cobertura em Salvador, que rivaliza com o do Rio. Ontem acompanhamos o Olodum, hoje o Ilê, amanhã estaremos no Gandhy. Nós queremos mostrar isso, o que vem da África, o que se misturou com o Brasil, o que ficou aqui. O que a gente viu até agora é maravilhoso, é mágico.

Beleza Negra

A saída do Ilê este ano reuniu a primeira vencedora do concurso Beleza Negra, realizado há 40 anos, dona Lourdes Cruz, conhecida como Mirinha, e a atual Rainha do Ilê, Daniele Nobre. As duas concordam em um ponto: o Beleza Negra não diz respeito apenas à estética. Daniele diz que "é também a consciência, o ensinamento dos ancestrais, é uma história de resistência, é conhecer e respeitar a história do bloco. É um conjunto". A experiência de Mirinha confirma as palavras de Daniele. "Para mim, o concurso exalta a nossa dança, a nossa persistência e resistência".


*Com informações da SECOM-BA / Repórter: Raul Rodrigues.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.